Voltar

Notícias

04 de Agosto, 2015

Cooperativas agrárias de Nampula beneficiam-se de fundos

Seis cooperativas agrárias localizadas nos distritos de Moma, Angoche, Mogovolas e Monapo na província de Nampula, beneficiaram-se de um financiamento na ordem de 1506.585Mt para a produção e comercialização agrícola. O financiamento enquadra-se no âmbito da implementação do Projecto de Desenvolvimento de Agro-Negócios-PDAN, levado a cabo pela Associação Moçambicana Para a Promoção do Cooperativismo Moderno-AMPCM em parceria com a Norges Vel, uma agência de desenvolvimento da Noruega.

De acordo com o Coordenador de actividades da AMPCM para a região norte, Natalino Barnete, o valor foi distribuído com base nas necessidades apresentadas no plano de negócio de cada uma das cooperativas e os beneficiários tem um prazo de sete meses para reembolsar o valor recebido com uma taxa de juros de 12.5%.

A fonte, disse esperar que volvidos sete meses, período em que o crédito deve ser totalmente saldado, as cooperativas beneficiadas honrem com os seus compromissos de forma a criar um ambiente favorável para que as outras organizações que almejam financiamento, num futuro próximo também possam se beneficiar.

Barnete que falava no acto da entrega dos cheques, num evento que contou com a presença do CEPAGRI, uma instituição subordinada ao Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, disse que o projecto visa contribuir para o aumento da renda das famílias através da promoção de empresas cooperativas viáveis e sustentáveis como meio de fortalecer as iniciativas de negócios e criar riqueza.

Como contributo para o fortalecimento das iniciativas de negócio dos beneficiários do projecto, a AMPCM assessorou as 6 cooperativas agrárias treinando-nas em planificação de negócios através de potencialidades locais uma abordagem que culmina com a elaboração de planos de negócios e a procura de fontes para financiamento, explicou Barnete, acrescentando que esta constitui uma fase de viragem em que o cooperativismo começa a vingar e parte das instituições de micro finanças e a banca do crédito começam a acreditar no trabalho dos produtores organizados em cooperativas.