Voltar

Notícias

Angola

05 de Outubro, 2015

Cooperativa monta centrais de compras

A Cooperativa Agrícola Aurora do Impulo de Quilengues instalou três centrais de compras de bens agrícolas, duas em Viana e uma em Luanda, com vista a facilitar a aquisição dos produtos do campo para as grandes superfícies comerciais.

A revelação foi feita por Almeida Pinho, o vice-presidente da cooperativa situada no município de Quilengues, que, desta forma, passa a posicionar-se como parceiro do Executivo no programa de combate à fome e à pobreza. O responsável Provincial referiu que a ideia, que conta com o apoio institucional do Governo Provincial da Huíla e do Ministério da Agricultura, passa pela aquisição de toda a produção nacional dos agricultores associados ou individuais para, depois, ser vendida às grandes superfícies comerciais em todo o território nacional, sobretudo milho, batata rena, feijão, alho e hortícolas que estão a ser produzidos em grande escala pelos camponeses.
“Essa estratégia permite ajudar o Governo no seu programa de combate à fome e pobreza, numa altura em que o país enfrenta algumas dificuldades para a importação de bens de consumo, devido à crise financeira motivada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional”, sublinhou.  O vice-presidente da cooperativa mostrou-se particularmente preocupado com a seca e as enxurradas que afectam ciclicamente a região Sul de Angola e pediu a  a criação de um “Seguro Agrícola”  capaz de atenuar os prejuízos derivados de calamidades naturais.  Almeida Pinho sublinhou que a localização geográfica do município de Quilengues permite criar uma “importante base” para a segurança alimentar no país, devido às facilidades de escoamento de bens de consumo para os principais mercados.
O responsável acrescentou que “há espaço e potencial” em Quilengues para que os   fazendeiros possam contribuir, significativamente, para a redução das carências alimentares no país. "Cento e cinquenta dos duzentos e vinte fazendeiros ligados à cooperativa estão prontos para iniciarem a exploração das suas propriedades em larga escala, o que vai impulsionar a industrialização”, esclareceu Almeida Pinho. Dezenas de jovens foram preparados pela cooperativa para operarem os equipamentos, numa iniciativa que tem a apoio da administração municipal de Quilengues. O vice-presidente da cooperativa agro-pecuária e industrial Aurora Impulo apelou às grandes superfícies comerciais a cumprirem, em tempo útil, com os seus pagamentos para não criarem dificuldades aos fazendeiros.

Pólo industrial

Almeida Pinho convidou as pequenas e médias empresas industriais de diferentes ramos a instalarem-se no futuro pólo de desenvolvimento de Quilengues, onde estão disponíveis 300 mil hectares de terreno. O empresário agrícola destacou, como prioridade, a montagem de unidades para a produção de equipamentos agrícolas (catanas, enxadas, pás, machados), medicamentos, produtos lácteos, curtumes, rações, concentrado de tomate e moageiras, entre outras.
O vice-presidente da cooperativa defendeu legislação que obrigue os criadores de gado a levaram os seus animais à vacinação e aos tanques para desinfectar os seus animais e garantirem carne de qualidade.
“Encontramos ainda muita resistência dos criadores, mas isso não traz valor acrescentado aos seus animais”, sublinhou.